domingo, 30 de janeiro de 2011

Composição das coisas

Bem, já que as férias se foram, resolvi voltar também às postagens didáticas. "Futricando" pela web descobri a composição de coisas corriqueiras (mas que sequer sonhamos como funcionam), veja cá:

CIMENTO:


O cimento (derivada do latim cæmentu) é um material cerâmico que, em contato com a água, produz reação exotérmica de cristalização de produtos hidratados, ganhando assim resistência mecânica. É o principal material de construção usado na construção como aglomerante. É uma das principais commodities mundiais, servindo até mesmo como indicador econômico.

História

Já no Antigo Egito era utilizada um material feito de gesso calcinado como aglomerante. Entre os gregos e romanos, eram usados solos vulcânicos das proximidades de Pozzuoli ou da ilha de Santorini, que endureciam depois de misturadas com água.

Em 1756 o inglês John Smeaton criou uma mistura resistente através da calcinação de calcários argilosos e moles. Esse é o marco da criação do cimento artificial. Tempos depois, em 1824, o construtor, também inglês, Joseph Aspdin produziu um pó muito fino a partir de pedras calcárias e argila que, depois de misturado a água e seco, produzia um material muito rígido, tanto quanto as pedras naturalmente empregadas na construção. Ele batizou esse material de cimento Portland, em homenagem à ilha de Portland, local onde existiam rochas semelhantes a esse cimento. Desde então, esse é o principal tipo de cimento utilizado.


Fornos de cimento
O principal equipamento das usinas de cimento Portland é o forno (ou calcinador), onde ocorrem reações de descarbonatação e formação de silicatos de cálcio e aluminatos de cálcio. Atualmente, os fornos são na maioria rotativos, cilindros horizontais de até 70 metros de comprimento e de capacidade de produção de até 10.000 toneladas por dia.

A matéria prima permanece no forno por um tempo de aproximadamente 4 horas e atinge temperaturas superiores a 1500ºC suficientes para liquefazê-la. Os fornos rotativos possuem leve ângulo de inclinação e giram lentamente (de 2 a 5 rpm) permitindo que o material percorra o cilindro a medida que desliza pelas paredes. Internamente, há um revestimento de materiais refratários que protegem a carcaça do forno das altas temperaturas e conservam o calor no interior.

Como combustível, é geralmente utilizada uma combinação de diversos produdos como óleo, coque de petróleo e resíduos industriais. As altas temperaturas de operação permitem ainda queimar completamnete combustíveis de difícil utilização como pneus picados, que em outras condições poderiam emitir altas concentrações de substâncias extremamente tóxicas (tais como dioxinas e furanos) devido à queima incompleta. Além disso, o calcário e a cal contidos na mistura, têm a característica de reagir com o enxofre proveniente dos combustíveis, evitando maiores emissões de óxidos de enxofre na atmosfera e prevenindo, por exemplo, a ocorrência de chuva ácida.

LEITE:

O leite é um composto nutritivo líqüido, produzido pelas glândulas mamárias das fêmeas dos mamíferos para a alimentação dos filhotes. Em grande parte das espécies, existem duas glândulas ou dois conjuntos de glândulas, uma em cada mamilo localizado na parte frontal superior entre os seres humanos, ou nos quadrúpedes na parte ventral do animal.
É formado por água, uma proteína principal, a caseína, uma gordura específica, a butirina e um açúcar também específico, a lactose.


Variedades de leite

De vaca, ou bovino é largamente utilizado na alimentação humana, e rico em vitamina A e cálcio.

De búfala, muito apreciado e mais gorduroso que o leite bovino.

De cabra, muito comum no Nordeste brasileiro, existem controvérsias quanto ao consumo, mas alguns institutos apontam ele como sendo o tipo de leite mais consumido no mundo.

De camela, muito apreciado entre os beduínos, povo nômade do norte de África.

De égua, consumida na Ásia Central, utilizada na fabricação da bebida Kumis.



Leite humano

Um bebé alimentando-se com leite materno.Ver artigo principal: Leite materno

Designa-se por leite materno o leite produzido pelas mulheres e que é utilizado para alimentar os bebês. O leite materno é a primeira e principal fonte de nutrição dos recém-nascidos até que se tornem aptos a comer e digerir os alimentos sólidos.

Tem características variadas dependendo da idade gestacional do recém-nascido e cronológica do recém-nascido e da duração da amamentação em si.

É produzido pela mãe de um recém-nascido prematuro ou não, possui grande quantidade de imunoglobulinas (=anticorpos).

Nos primeiros dias de idade o leite tem características bem diferentes, contendo pouca gordura e mais imunoglobulinas, é o chamado colostro.

Entre os humanos, é bastante comum que a mãe tenha pouco leite logo após o parto, principalmente se for seu primeiro filho. A "descida" do leite pode demorar até uns quatro dias e é conhecida como apojadura.

Leite tipo A

Ordenha de leite mecânicaLeite in natura, é retirado pela ordenha mecânica e vai direto para um tanque, onde é aquecido até 70-75 °C e depois resfriado. Esse processo denomina-se pasteurização, em seguida vai para a máquina embaladora.

Quanto a composição, a diferença entre o A e o B é bem pequena. Os dois são praticamente integrais. O tipo A tem mais gordura e menos proteína que o tipo B.

O leite tipo A dura mais que o tipo B por ter uma quantidade menor de bactérias.

Leite tipo B

As vacas permanecem em estábulos, o que ajuda na manutenção das condições de higiene. Assim como no leite tipo A a ordenha deve ser mecânica. O local de armazenamento é mais sofisticado do que o tipo C. Permite uma refrigeração a temperaturas mais baixas, entre 3,5 a 4ª graus centigrados. A mecanização contribui para a excelencia na extração do leite tipo B.

Em verdade a diferença, está na quantidade de gordura e proteínas constantes no leite tipo B.

Leite tipo C
A ordenha pode ser manual ou mecânica e as vacas ficam soltas no pasto. O leite é armazenado em abrigos rústicos, mas refrigerados, antes de seguir para a usina onde será embalado. Apresenta um teor de gordura de aproximadamente 3%. As usinas utilizam o restante para produzir manteiga, queijo e derivados.

Digestão do leiteDe acordo com estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os seres humanos do neolítico presentes na Europa não possuiam o gene da lactase presente em seus DNAs, o que sugere que eram intolerantes ao leite, uma vez que sem a lactase, beber leite pode causar inchaço, dores abdominais e diarréia. Tal estudo foi possível graças aos exames de DNA extraído de esqueletos.

AÇO INOXIDÁVEL

O aço inoxidável é uma liga de ferro e crómio, também ligado ao níquel e molibdénio que apresenta propriedades físico-químicas superiores aos aços comuns, sendo a alta resistência à oxidação atmosférica a sua principal característica. As principais famílias dos Aços Inoxidáveis, classificados segundo a sua microestrutura, são: Ferríticos, Austeníticos, Martensíticos, Endurecíveis por Precipitação e Duplex.

Estes elementos de liga, em particular o crómio, conferem uma excelente resistência à corrosão quando comparados com os aços carbono. Eles são, na realidade, aços oxidáveis. Isto é, o crómio presente na liga oxida-se em contacto com o oxigénio do ar, formando uma película, muito fina e estável, de óxido de crómio - Cr2O3 - que se forma na superfície exposta ao meio. Ela é chamada de camada passiva e tem a função de proteger a superfície do aço contra processos corrosivos. Para isto, é necessário uma quantidade mínima de crómio de cerca de 11% em massa. Esta película é aderente e impermeável, isolando o metal abaixo dela do meio agressivo. Assim, deve-se tomar cuidado para não reduzir localmente o teor de cromo dos aços inoxidáveis durante o processamento. Este processo é conhecido em metalurgia como passivação. Por ser muito fina — cerca de 100 angstrons — a película tem pouca interacção com a luz e permite que o material continue apresentando seu brilho característico.

Os aços inoxidáveis são utilizados principalmente para quatro tipos de mercados:

Electrodomésticos: Grandes electrodomésticos e pequenos utensílios domésticos.
Automotores: produção de peças para veículos automotores como, por exemplo, canos de descarga.
Construção: edifícios e mobiliários,
Industria: alimentação, produtos químicos e petróleo.

A sua resistência à corrosão, as suas propriedades higiénicas e estéticas fazem do aço inoxidável um material muito atractivo para satisfazer diversos tipos de demandas. Os produtos de limpeza indicados para a limpeza do Aço Inox são: o sabão, os detergentes suaves e/ou neutros e as soluções de amónia (removedores caseiros) em água morna. Aplique com um pano macio ou uma esponja de nylon fino, enxague em água abundante e seque com pano macio.

As diversas microestruturas dos aços são função da quantidade dos elementos de liga presentes. Existem basicamente dois grupos de elementos de liga: os que estabilizam a ferrite (Cr, Si, Mo, Ti e Nb); e os que estabilizam a austenite (Ni, C, N e Mn).

A composição química junto com o processamento termo-mecânico, confere aos aços inoxidáveis propriedades diferentes. Assim, cada grupo de aço inox tem uma aplicação. Abaixo, temos algumas aplicações dos aços inoxidáveis.

Austenítico (resistente à corrosão)
equipamentos para indústria química e petroquímica
equipamentos para indústria alimentícia e farmacêutica
construção civil
baixelas e utensílios domésticos.
Ferrítico (resistente à corrosão,mais barato)
electrodomésticos (fogões, geladeiras, etc)
balcões frigoríficos
moedas
indústria automobilística
talheres
Martensítico (dureza elevada)
cutelaria
instrumentos cirúrgicos como bisturi e pinças
facas de corte
discos de freio

Propriedades:

Alta resistência à corrosão
Resistência mecânica adequada
Facilidade de limpeza/Baixa rugosidade superficial
Aparência higiénica
Material inerte
Facilidade de conformação
Facilidade de união
Resistência a altas temperaturas
Resistência a temperaturas criogénicas (abaixo de 0°C)
Resistência às variações bruscas de temperatura
Acabamentos superficiais e formas variadas
Forte apelo visual (modernidade, leveza e prestígio)
Relação Custo/Benefício favorável
Baixo custo de manutenção
Material reciclável
De Boa Fabricação


COMPOSIÇÃO DO CIGARRO


NICOTINA - é a causadora do vício.

BENZOPIRENO - substância que facilita a combustão existente no papel que envolve o fumo;

NITROSAMINAS;

SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS - como o POLÔNIO 210 e CARBONO 14;

AGROTÓXICOS - como o DDT;

SOLVENTES - como o BENZENO;

METAIS PESADOS - como CHUMBO e o CÁDMIO (um cigarro contém de 1 a 2 mg, concentrando-se no fígado, rins e pulmões, tendo meia-vida de 10 a 30 anos, o que leva a perda de capacidade ventilatória dos pulmões, além de causar dispnéia, ENFISEMA, FIBROSE PULMONAR, hipertensão, CÂNCER nos pulmões, próstata, rins e estômago)

NÍQUEL e ARSÊNICO - (armazenam-se no fígado e rins, coração, pulmões, ossos e dentes - resultando em gangrena dos pés, causando danos ao miocárdio etc..)

CIANETO HIDROGENADO;

AMÔNIA (utilizado em limpadores de banheiro);

FORMOL (componente de fluído conservante);

MONÓXIDO DE CARBONO (é o mesmo gás que sai dos escapamentos de automóveis, e como tem mais afinidade com a hemoglobina do sangue do que o próprio oxigênio, toma o lugar do oxigênio, deixando o corpo do fumante - ativo ou passivo - totalmente intoxicado);


Boa tardeeeeeeeee...

2 comentários:

  1. maravilhosa essa pagina ,,amo tudo sobre corpo humana

    ResponderExcluir
  2. maravilhosa essa pagina ,,, amo tudo sobre corpo humano

    ResponderExcluir

Se gostou elogie, se não gostou, contribua, mas seja educado ou passo a faca no seu comentário... Somos pessoas civilizadas não somos???!!